COMUNIDADES

Arquivo Pessoal/Sara Campos

Grupos envolvidos com respectivas localidades e produtos

CERRADO 

COOPAESP
Esperantinópolis (MA) 

A comunidade tradicional de quebradeiras de coco babaçu produz a farinha de mesocarpo do fruto - extraída de uma área que fica entre a cascas e as amêndoas - bastante utilizada em receitas de panificação. 

  

Cooperativa Babaçu Livre (COOPALJ)
Lago do Junco (MA)

A Cooperativa Babaçu Livre envolve 3 organizações: AMTR, Mulheres de Santana e AJR (Região do Médio Mearim-MA). Produzem itens com origem do babaçu como óleo orgânico, sabonete, licores artesanais, artesanato de fibra e coco do babaçu, papel reciclado, embalagens e cestarias de palha trançada.

Indígena da etnia Waura

Ilustração: Carmen San Thiago

Quilombola do território Kalunga

Ilustração: Carmen San Thiago

COPABASE 

Vale do Urucuia (MG) 

O baru torrado figura entre os principais produtos da cooperativa, que também produz polpas de frutas nativas nos sabores mangaba, coquinho azedo e umbu. O beneficiamento também inclui especiarias como colorífico, açafrão e pólen além de outros produtos extrativistas.  

 

Central Veredas de Artesanatos 

Vale do Urucuia (MG) 

As cores das paisagens do Vale do Urucuia inspiram o trabalho de tecelagem de algodão com fibras naturais utilizando o Cerrado como cenário. Os bordados ocupam quadros, saquinhos, travesseiros e mantas que podem ser presenteados dentro de caixas produzidas com o talo da palmeira de buriti. 

 

Cooperativa Sertão Veredas
Chapada Gaúcha (MG) 

Composta por assentados da reforma agrária e comunidades tradicionais, a cooperativa transforma frutos do Cerrado como araçá, cajuzinho-do-cerrado e coquinho azedo em polpas de frutas, geleias, compotas e doces. 

Agricultor de Fundo de Pasto da Caatinga

Ilustração: Carmen San Thiago

ENTIDADES ASSOCIADAS

Buriti ou miriti (Mauritia flexuosa)

Ilustração: Carmen San Thiago

COMUNIDADES DA CENTRAL DO CERRADO

Cooperativa dos Trabalhadores Rurais de Riacho D’anta e Adjacências (COOPERRIACHÃO)

Montes Claros (MG)

Localizada na região norte de Minas Gerais, a cooperativa apresenta um trabalho de destaque com a macaúba, também conhecida como bocaiúva. Do fruto, saem óleos prensados à frio, carvão, polpa, semente, sabão e sabonete.  

 

Centro de Produção, Pesquisa e Capacitação do Cerrado (CEPPEC)

Nioaque (MS)
Um dos carros-chefes da cooperativa é o trabalho artesanal de tecelagem de algodão, lã e anafaia com tingimento natural e fibras e vegetais, que dão forma a bolsas femininas, pastas promocionais para eventos, capa para pastas, mantas, cachecóis, jogos americanos, tapetes, saias, chapéus e gorros. 

 

Cooperativa dos Produtores Rurais e Catadores de Pequi (COOPERJAP)

Japonvar (MG) 

Frutas nativas do Cerrado como mangaba, cagaita e coquinho azedo transformam-se em polpas de fruta. O pequi é um dos principais ingredientes beneficiados e pode ser encontrado em conservas, óleos e castanhas. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cooperativa Mista dos Produtores Rurais de Poconé (COMPRUP)

Poconé (MT)
Castanha de baru e produtos diversos da agricultura familiar de tradição quilombola. 

 

Cooperativa Agroextrativista Grande Sertão 

Montes Claros (MG) 

Polpas de fruta congelada: araçá, cajá, coquinho azedo, mangaba, maracujá nativo, baru/araticum, seriguela, tamarindo, acerola, abacaxi, goiaba, manga e maracujá. Pequi congelado, óleo de pequi, polpa de pequi em conserva, rapadurinha, açúcar mascavo, mel (apis), arroz de pilão, farinha de mandioca, etc. 

 

Associação Comunitária dos Artesãos e Pequenos Produtores Rurais de Mateiros (ACAPPM)
Mateiros (TO) 

O capim dourado é fonte de renda para o território quilombola de Mateiros, no Jalapão. Peças de artesanato diversas como bijuterias, cestas e utensílios para cozinha figuram entre a produção da comunidade.  

 

Associação dos Artesãos e Extrativistas do Povoado do Mumbuca
Mateiros (TO)
O capim dourado é fonte de renda para o território quilombola de Mateiros, no Jalapão. Peças de artesanato diversas como bijuterias, cestas e utensílios para cozinha figuram entre a produção da comunidade.  

 

Associação Comunitária dos Extrativistas, Artesãos e Pequenos Produtores do Povoado do Prata
São Félix (TO)
O capim dourado é fonte de renda para o território quilombola de Mateiros, no Jalapão. Peças de artesanato diversas como bijuterias, cestas e utensílios para cozinha figuram entre a produção da comunidade.  

 

Cooperativa das Mulheres Quebradeiras de Coco de Babaçu (CIMQCB)
(MA, TO, PI e PA)
Símbolo de resistência do Cerrado nordestino, a comunidade tradicional de quebradeiras de coco babaçu produz com autonomia o azeite, resultado da extração do óleo da amêndoa, e o mesocarpo de babaçu.  

 

Assentamento Colônia I (COPAFAMA)
Padre Bernardo (GO) 

Grupo de agricultores orgânicos referência em produção de hortaliças agroecológicas na região. Envolve o Grupo Vida e Preservação e o Grupo Sabor do Cerrado, grupo de mulheres que preparam lanches ecossociais em eventos realizados pela Central do Cerrado.  

 

Cooperativa dos Apicultores do Vale do Jequitinhonha (COOAPIVAJE)
Turmalina (MG)
Mel e derivados da apicultura.  

 

Central de Cooperativas da Baixada Cuiabana

Várzea Grande (MT)
Baru, derivados de cana, mandioca e produtos diversos da agricultura familiar. 

 

PARCEIROS COMERCIAIS

Meliponina  (AMELPAN)
Região dos Lençóis Maranhenses (MA)
Produtos de abelhas nativas sem ferrão das espécies tiúba, uruçu e jandaíra entre eles mel, pólen e própolis.  

 

Nonna Pasqua
Goiânia (GO)
Ao aportar em terras brasileiras na década de 90, o italiano Gennaro Salvemini passou a utilizar ingredientes do Cerrado em receitas italianas consagradas como pestos, licores e biscoitos. 

 

Trem do Cerrado
Pirenópolis (GO)
A empresa da família Aponte utiliza em seus produtos diferentes frutos do cerrado como jatobá, pequi e baru. Nas mãos de Maneco e André os ingredientes transforma-se em itens como barras de cereais, biscoitos e pães.  

 

Sítio Boca do Mato
Mambaí (GO)
A família Berquó dedica-se à produção e beneficiamento do pequi e do baru com itens como creme de pequi e molho de pequi (nas versões com ou sem pimenta) além da pasta de baru picante.    

 

COPIRECÊ
Irecê (BA)
A cooperativa do sertão baiano produz o flocão de milho não transgênico, matéria-prima para o cuscuz que ganha diferentes versões pelo Brasil.  

 

Associação dos Artesãs de Turmalina (ASTUR)
Turmalina (MG)
Tecelagens e bordados de tradição do Vale do Jequitinhonha 

 

Povo Indígena Waura
Parque Indígena do Xingu (MT)
Os belos grafismos e o trançado artesanal desta comunidade tradicional do Alto Xingu com mais de mil anos de história estão registrados em peças de cerâmica, esteiras e cestarias.  

 

Comunidade Kalunga de Goiás
Território Kalunga 

Cavalcante (GO)
O extrativismo sustentável de raiz quilombola está presente em ingrediente como gergelim, arroz de pilão, farinha de mandioca, farinha de coco indaiá e pimenta-de-macaco. 


 

CAATINGA 

 

Cooperativa Central da Caatinga (Bahia)

Reúne oito cooperativas de agricultores familiares do semiárido da Bahia, resultado de um processo de organização e valorização da agricultura familiar e economia solidária. Os empreendimentos participantes são orientados pela produção agroecológica, adoção das boas práticas de segurança alimentar, comercialização solidária, gestão coletiva e preservação ambiental.

 

• Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (COOPERCUC)
Uauá, Canudos e Curaçá (BA)
Derivados de umbu e maracujá da caatinga. 

 

• Cooperativa de Produção e Comercialização dos produtos da Agricultura Familiar do Sudoeste da Bahia (COOPROAF)
Manoel Vitorino (BA)
Derivados de umbu e maracujá da caatinga. 

 

• Cooperativa de Produção da Região do Piemonte da Diamantina (COOPES)
Capim Grosso (BA)
Extraído pelas quebradeiras, o coco licuri é ingrediente principal dos produtos desta cooperativa. As amêndoas chegam ao consumidor torradas nas versões com e sem sal.  

 

• Cooperativa Regional de Agricultores/as Familiares e Extrativistas da Economia Popular e Solidária (CooperSabor)
Monte Santo (BA)
Derivados de umbu, licuri e mandioca. 

 

• Cooperativa Agropecuária Familiar de Massaroca e Região (COOFAMA)
Juazeiro (BA)
 

• Cooperativa de Produção da Agricultura Familiar da Comunidade

de Lagoa de Dentro e região (COOPERLAD)
Tucano (BA) 

• Cooperativa dos Irrigantes do Vaza-Barris (COOPERPARAISO)
Sobradinho (BA) 

• CIVAB
Canudos (BA) 

 

• COOPERUAÇU
Januária (MG)
Pequi e derivados, farinha de jatobá, doces, geleias, compotas e

polpas de frutas do cerrado. 

 

• COOPERFAN
Paracatu (MG)
Baru, polpas de fruta, produtos gerais da agricultura familiar. 

NOSSOS CANAIS

    SES, Quadra 14, Lote 03

    Setor Econômico de Sobradinho

    Brasília/DF

    CEP 73.020-414

    Tel: +55 (61) 3327-8489

    Whatsapp: +55 61 98262-0001

    centraldocerrado@centraldocerrado.org.br

    Mercado Municipal de Pinheiros, box 28

    Rua Pedro Cristi 89

    Pinheiros São Paulo/SP

    CEP 05.421-040

    Tel: +55 (11) 3530-6489

    pinheiros@centraldocerrado.org.br

Parceria:

CENTRAL DO CERRADO

• SÃO PAULO

CENTRAL DO CERRADO

• BRASÍLIA

Cooperativa Central do Cerrado LTDA - CNPJ: 12.473.840/0001-50 - Entregas em até 10 dias úteis 

© 2020 by Cajuí Comunicação Digital