Pequi

O fruto de pele espinhenta

O "ouro do Cerrado" tem aroma marcante e figura entre pratos tradicionais de diferentes territórios do bioma. Foto: André Dib - WWF-Brasil

Sobre o fruto

O pequi (nome científico: Caryocar brasiliense) é o mais consumido e comercializado dos frutos nativos do Cerrado. Seu nome, que vem do tupi, significa “pele espinhenta”, graças aos espinhos finos que revestem a segunda camada da sua polpa. O pequi também é um dos frutos do Cerrado mais estudado nos aspectos nutricional, ecológico e econômico.

 

Este fruto é de grande importância para a economia de populações agroextrativistas em diversas regiões do Cerrado. Com a coleta do pequi, alguns agricultores chegam a obter até 80% de sua renda anual.

Possui o tamanho aproximado de uma maçã, com uma casca que pode alternar entre as cores verde e amarela. No seu interior, existe um caroço revestido por uma polpa comestível macia e amarela. Por dentro da polpa existe uma camada de espinhos muito finos. Por isso é preciso ter cuidado ao roer seu caroço. Na camada que ultrapassa os espinhos é possível encontrar uma castanha macia e muito saborosa.

Os caroços são servidos cozidos e são muito utilizados na culinária regional de diferentes regiões do Brasil como Nordeste, Norte e Centro-Oeste. Pratos como o tradicional arroz com pequi ou frango com pequi não podem faltar na mesa das populações locais do Cerrado. Com sabor marcante, o fruto também pode ser utilizado como tempero, nas versões em conserva e como matéria-prima para a produção de licores e sorvetes. Apesar de seu grande potencial, a castanha-de-pequi - ainda tem uso bem menos difundido do que sua polpa - pode ser apreciada in natura, torrada, com sal ou caramelizada.

Povos indígenas do Xingu como as etnias Xavante e Kraô também utilizam o pequi em usos terapêuticos e medicinais. Comunidades tradicionais relacionam ao fruto poder no combate ao envelhecimento e na prevenção às doenças associadas à visão. Para eles, o óleo de sua amêndoa possui ação anti-inflamatória, cicatrizante e gastroprotetora. Já o extrato de suas folhas é utilizado no Cerrado contra micoses (fungos) e moluscos (caracóis).

A polpa do fruto é rica em vitaminas A, C, E e carotenóides. O pequi tem o dobro de vitamina C de uma laranja, por exemplo.

Um pequizeiro tem um ciclo de vida de aproximadamente 50 anos, possui copa frondosa e folhas grandes cobertas por penugem, podendo atingir até 10 metros de altura. A madeira é utilizada na construção de casas e cercas e tem boa durabilidade. Suas flores servem de alimento para os animais do Cerrado e a casca produz corante de ótima qualidade.

A fase reprodutiva do pequizeiro inicia-se a partir do oitavo ano da árvore, com floração ocorrendo normalmente entre os meses de setembro e novembro. A época de floração e frutificação varia entre as regiões, mas, em geral, boa parte das folhas cai no início da estação seca. Normalmente, a época de produção dos frutos é de novembro a janeiro. Os pequizeiros produzem frutos por 20 a 40 dias, podendo chegar a 1000 frutos por pé.

NOSSOS CANAIS

    SES, Quadra 14, Lote 03

    Setor Econômico de Sobradinho

    Brasília/DF

    CEP 73.020-414

    Tel: +55 (61) 3327-8489

    Whatsapp: +55 61 98262-0001

    centraldocerrado@centraldocerrado.org.br

    Mercado Municipal de Pinheiros, box 28

    Rua Pedro Cristi 89

    Pinheiros São Paulo/SP

    CEP 05.421-040

    Tel: +55 (11) 3530-6489

    pinheiros@centraldocerrado.org.br

Parceria:

CENTRAL DO CERRADO

• SÃO PAULO

CENTRAL DO CERRADO

• BRASÍLIA

Cooperativa Central do Cerrado LTDA - CNPJ: 12.473.840/0001-50 - Entregas em até 10 dias úteis 

© 2020 by Cajuí Comunicação Digital